Notícias

ISSB recebe mais de 1.000 comentários referentes às normas de divulgação de sustentabilidade propostas2 minutos de leitura

Por 15/08/2022agosto 16th, 2022Sem comentários

Por Luis Fernando Souza / Estagiário sob supervisão

O International Sustainability Standards Board (ISSB, na sigla em inglês) recebeu mais de 1.300 comentários às suas duas minutas de exposição referentes às normas de divulgação de sustentabilidade propostas. A minuta de Divulgação de Informações Financeiras Relacionadas à Sustentabilidade (IFRS S1) obteve 700 apontamentos e a minuta de Divulgação Relacionada ao Clima (IFRS S2) recebeu aproximadamente 600 respostas. Os interessados em participar tiveram 120 dias para o envio de comentários. Ao mesmo tempo, representantes do ISSB participaram de mais de 400 eventos de divulgação ao redor do mundo.

Após a análise preliminar do material recebido, foi constatado que pessoas de todo o mundo enviaram contribuições. Entre alguns dos participantes, estão acadêmicos; entidades de contabilidade e empresas de auditoria; investidores; emissores de normas; órgãos governamentais, reguladores, fiscalizadores e normatizadores.

De acordo com as exigências da Fundação IFRS, a partir de agora, o ISSB avaliará e discutirá o conteúdo do material recebido em reuniões de sua diretoria. Todas as respostas enviadas estão disponíveis na sessão Projetos do site da fundação.

Cartas brasileiras

O Brasil não ficou de fora. O Grupo de Trabalho do Comitê Brasileiro de Pronunciamentos de Sustentabilidade (GT CBPS) enviou, em julho, comentários para as duas minutas de normas propostas pelo ISSB.

A criação do CBPS foi aprovada em reunião Plenária do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) realizada no dia 9 de junho de 2022. O Comitê tem a função de estudar, preparar e emitir documentos técnicos sobre a divulgação das práticas de sustentabilidade (ambiental, social e de governança – ASG), elaborando pronunciamentos técnicos para serem adotados pelos reguladores no Brasil.

Para saber mais informações acesse aqui.

Fonte: site da Fundação IFRS e FACPC.